Arquivo de outubro de 2008

Brasil encerra participação histórica no Mundial Júnior

domingo, 26 de outubro de 2008

Uchi-mata-SarahO Brasil tem judô para muitos anos ainda. A seleção brasileira júnior volta do Campeonato Mundial de Bangkok com cinco medalhas na bagagem: a melhor participação do país em mundiais da categoria em todos os tempos. Subiram ao pódio Sarah Menezes (-48kg, ouro), Rafaela Silva (-57kg, ouro), Camila Minakawa (-63kg, bronze), Mayra Aguiar (-70kg, prata), Victor Penalber (-73kg, bronze), além do quinto lugar do ligeiro Felipe Kitadai e do sétimo lugar do pesado Luis Carmo. O Brasil acabou em terceiro lugar no quadro de medalhas geral entre 83 países, atrás apenas de Japão (11 medalhas, quatro ouros) e França (quatro medalhas, 2 ouros e 2 pratas) e à frente de Rússia, Coréia, Geórgia, entre outras potências internacionais. No feminino, o Brasil ficou em segundo no geral, novamente atrás do Japão.

“O judô feminino do Brasil tende a crescer muito ainda. Aumentamos visivelmente a quantidade de praticantes no país e, com isso, a qualidade aumenta. Nas seletivas conseguimos realmente apurar as melhores”, comemora o técnico da seleção júnior feminina, Mario Tsutsui. “O maior contato com a seleção e o investimento em viagens para competições e treinamentos internacionais já estão fazendo a diferença. Temos uma boa geração em mãos”, acrescenta o treinador.

E é por causa de uma dessas seletivas que o desembarque no Brasil não será tão “festivo” como se poderia supor. Parte dos atletas que chegam de Bangkok já têm compromisso pela frente: a Seletiva Londres 2012, nos dias 1 e 2 de novembro, em Vitória/ES. Raquel Lopes (-52kg), Rafaela Lopes (-57kg), Camila Minakawa (-63kg), Stefanie Lupetti (-78kg), Rochelle Nunes (+78kg), Felipe Kitadai (-60kg), Marcos Seixas (-66kg), Marcelo Filho (-81kg), Bruno Altoe (-90kg), Marco Junior (-100kg) e Luis Carmo (+100kg) estará em ação no próximo final de semana. Cada categoria terá cinco concorrentes que buscarão vaga para enfrentar o reserva da seleção olímpica. O vencedor entre estes, então, disputará a posição com o titular em Pequim 2008.

“A medalha vai ajudar a motivar para a seletiva, mas lá a história é outra”, diz a campeã mundial Rafaela Silva.

“Temos que virar a página rápido e concentrar no novo desafio”, concorda a medalhista de bronze Camila Minakawa.

Divulgação: Site da CBJ

Parabéns ao Judô Brasileiro!

Saudações Olímpicas

Sebástian Pereira

A Força do Judô Feminino Brasileiro!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Na última quinta-feira, 23 de outubro de 2008, iniciou mais um Campeonato Mundial Júnior de Judô, em Bancoc, Tailândia.

No primeiro dia, já tivemos uma medalha de Ouro, com nossa judoca peso ligeiro, até 48kg, Sarah Menezes.

Sarah ganhou de Maria Velazquez (VEN) por ippon; passou por Kelly Edwards (GBR) por ippon; derrotou Kristina Vrsic (SLO) por ippon; superou a japonesa Yumi Asaka com um wazari no golden score e, na decisão, outro ippon sobre Derya Cibir, com um belo uchi-mata.

Sarah, parabéns por mais esta conquista. Que ela possa representar um grande amadurecimento e confiança em sua carreira. Aproveite este momento. Você merece!

No segundo dia, tivemos outra medalha de Ouro. Agora, com nossa representante do peso Leve, até 57kg, Rafaela Silva, que  não precisou de mais do que 23 segundos para garantir a medalha de ouro na decisão do Campeonato Mundial Júnior.

Rafaela, revelada pelo Instituto Reação, ONG do grande atleta e amigo Flávio Canto e orientada pelo técnico Geraldo Bernardes, ex-técnico da seleção brasileira de judô, parabéns por sua belíssima conquista.

Temos que exaltar aqui, também, o excelente trabalho do nosso amigo Geraldo Bernardes, que vem revelando grandes valores através do Instituto Reação, criado por seu pupilo e campeão Flávio Canto.

Parabéns aos nossos amigos!

Parabéns as nossas judocas!

Parabéns ao Judô Brasileiro!

Saudações Olímpicas!

Sebástian Pereira

O momento certo!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Campeonato Mundial Júnior de Judô! Tenho muito carinho por esta competição, pois foi à competição que me consolidou no Judô Mundial.

O Campeonato Mundial Júnior é uma importante competição no desenvolvimento de cada atleta. Temos muitos atletas, hoje, que fazem parte da Equipe Principal do Brasil, mesmo ainda tendo idade para a classe Júnior. Comprova a grande facilidade de renovação do Judô Brasileiro.

Enquanto atleta, recordo-me de algumas oportunidades em que ficava extremamente decepcionado com minha atuação nos campeonatos importantes na Classe Sênior. Logicamente, sempre temos o objetivo de conquistar o possível e impossível, mas em certos momentos temos que refletir sobre tudo ao nosso redor. Existe o momento certo para tudo.

Quando em 1996, nos Jogos Olímpicos de Atlanta, então com 20 anos, último ano da classe Júnior, porém já representando o Brasil no Campeonato mais importante do mundo, perdi a medalha de bronze, para o americano James Pedro, ficando em 5°Lugar, fiquei extremamente chateado e chorei muito. Lembro-me de meu pai, me consolando e chorando junto comigo, me apoiando e me dando suporte para seguir em frente, pois dois meses depois eu teria a competição mais importante para a minha classe, o Campeonato Mundial Júnior.

Meu técnico, Ney Wilson, me disse antes dos Jogos Olímpicos que o grande objetivo da temporada era o Mundial Júnior. Não entendi direito, mas segui em frente. Após os Jogos, ele me lembrou deste objetivo.

Lutei como nunca o Mundial Júnior e venci quase todas as lutas por Ippon. Saí consagrado. E nunca mais fui o mesmo. Saí um atleta mais maduro e completo. Fortaleceu-me para todas as outras conquistas futuras.

Hoje, tento passar toda essa experiência e relato para os mais jovens, orientando-os no desenvolvimento de suas carreiras. Nunca desanimar frente a um insucesso. Temos que respeitar o momento.

Naquela época, fui o segundo brasileiro a ser Campeão Mundial Júnior, feito conquistado somente por nosso Campeão Olímpico Aurélio Miguel. Após minha conquista, muitos brasileiros, chegaram a conquista do Mundial, entre eles Tiago Camilo, Leandro Guilheiro, Fabiane Hukuda e muitos outros. Isso representa a força do Judô Brasileiro.

Que venham muitas outras conquistas para o Judô Brasileiro!

Saudações Olímpicas!

Sebástian Pereira

Brasil apresenta cidades candidatas a receber Grand Slam e Copa do Mundo 2009

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Em encontro com o presidente da Federação Internacional de Judô, Marius Vizer, e os membros do comitê executivo Vladimir Barta (diretor técnico), Naser Al-Tameemi (tesoureiro) e Armen Bagdasarov (diretor técnico), o Brasil apresentou suas cidades candidatas a receber o Grand Slam e a Copa do Mundo de Judô 2009. A reunião foi na última quarta-feira (22) em Bagkok/Tailândia.Ao lado do presidente da Confederação Brasileira de Judô, Paulo Wanderley Teixeira, e do coordenador de marketing da CBJ, Maurício Santos, os representantes de Rio de Janeiro e Minas Gerais falaram aos dirigentes do judô mundial.

O Rio de Janeiro foi representado por Jose Candido da Silva Muricy, assessor especial da Casa Civil do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Já Belo Horizonte teve como representante o deputado estadual Gustavo de Farias Dias Correa, Secretário de Estado de Esporte e Juventude de Minas Gerais.

“Foi uma apresentação formal do interesse dessas cidades em receber as competições não só no ano que vem, mas pelos próximos quatro anos. O encontro foi bom e vamos esperar a decisão para os próximos dias”, comentou o presidente Paulo Wanderley Teixeira.

Impressionado com a qualidade e profissionalismo do material apresentado, o diretor técnico da IJF, Vladimir Barta, elogiou o Brasil.

“Gostamos muito do que vimos agora vamos analisar as propostas”, disse o dirigente.

 

 

FIJ aprova instalações da candidatura Rio 2016

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Fonte: Assessoria de Imprensa Rio 2016 

A Federação Internacional de Judô (FIJ) aprovou oficialmente, nesta terça-feira, dia 30, as instalações propostas para a modalidade na candidatura do Rio de Janeiro à sede dos Jogos Olímpicos de 2016. As competições de judô serão realizadas no Centro Olímpico de Treinamento (COT), que será construído na Barra da Tijuca.
Por exigência do Comitê Olímpico Internacional (COI), todas as instalações das cidades candidatas devem ser aprovadas pelas Federações Internacionais dos respectivos esportes. A aprovação da FIJ foi enviada pelo diretor de esportes da entidade, François Besson. “Os planos da instalação preenchem os requerimentos e as especificações técnicas para receber as competições de judô dos Jogos Olímpicos em 2016”, diz o comunicado da FIJ.
O presidente da Comissão de Candidatura Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, ressaltou a importância da aprovação. “O documento da Federação Internacional de Judô mostra que o projeto do Centro Olímpico de Treinamento é de alto nível. Este será um dos maiores legados da candidatura Rio 2016 e servirá como referência para atletas do Brasil, da América Latina e da África”, disse Carlos Arthur Nuzman.
O Centro Olímpico Nacional de Treinamento é um projeto pioneiro na América do Sul. Em um terreno de 90 hectares, ele terá locais de treinamento para 22 esportes olímpicos e infra-estrutura completa de acomodação, alimentação e centro médico. O objetivo é que o COT seja um centro de desenvolvimento e preparação de atletas brasileiros e estrangeiros de alto rendimento, além de um espaço social para a comunidade. O local também será um centro de aprendizado, com áreas para cursos para técnicos, treinamento de árbitros e pesquisas aplicadas ao esporte. O COT será construído independentemente do resultado da candidatura Rio 2016.

Saudações Olímpicas!

Sebástian Pereira

20 Anos do Primeiro Ouro Olímpico do Judô Brasileiro

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Há 20 anos, no dia 30 de setembro de 1988, Aurélio Miguel ganhava, na categoria meio-pesado, a medalha de ouro nas Olimpíadas de Seul . Aurélio, com 24 anos na época, foi o único atleta da delegação brasileira a subir no lugar mais alto do pódio naquela competição.

Sempre me espelhei na imagem do atleta e da pessoa Aurélio Miguel, pois foi um super atleta, de muita garra, raça, perseverança e determinação como também um ótimo amigo e cidadão.

Tive a honra de fazer parte da seleção olímpica junto com ele, nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, onde ganhou sua segunda medalha olímpica. Nesta época pude aprender tanto física, técnica como psicológicamente, o que me proporcionou uma grande evolução no esporte.

Sua medalha de ouro proporcionou um grande desenvolvimento ao judô brasileiro, sedimentando-o como um esporte vencedor.

Hoje, continua sua luta como vereador da cidade de São Paulo, onde vem fazendo um excelente trabalho tanto na área esportiva como também nas áreas da educação, saúde, transporte, proteção animal e infra-estrutura urbana.

Por isso, parabenizo nosso grande judoca e amigo Aurélio Miguel, por esta conquista que mudou a história de nosso esporte no Brasil.

Saudações Olímpicas

Sebástian Pereira

16º Aniversário da Medalha de Ouro de Rogério Sampaio

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Em 1992, nos Jogos Olímpicos de Barcelona, Rogério Sampaio, chegou em sua primeira e única Olimpíada desacreditado, nada que pudesse desanimar este judoca de técnica refinada, oriundo da mais tradicional escola japonesa.

Com seu O-Soto-Gari fortíssimo foi derrotando adversário por adversário, favorito por favorito, cansaço por cansaço. Nenhuma das dificuldades encontrada parou este judoca de Santos, SP.

Rogério Sampaio se tornou Campeão Olímpico em uma aprsentação memorável.

Tive a honra de lutar contra ele, algumas vezes, sempre ocorrendo disputas muito duras e bonitas. Posso afirmar, sem sombra se dúvida, que foi um dos maiores adversários que tive em minha carreira.

Sempre muito solícito foi um grande amigo em todas as oportunidades fora do tatame. Tenho orgulho de tê-lo como amigo.

Rogério,

Parabéns por esta conquista, que deve ser lembrada sempre e muito comemorada.

Abraços

Sebástian Pereira

Reeleição no Comitê Olímpico Brasileiro

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

COB ADOTARÁ MERITOCRACIA NO REPASSE DE RECURSOS ÀS CONFEDERAÇÕES OLÍMPICAS A PARTIR DE 2009

Os critérios de repasse de recursos da Lei Agnelo/Piva pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) às Confederações Brasileiras Olímpicas serão reformulados para o novo ciclo, visando os Jogos Olímpicos Londres 2012. O novo sistema tem como objetivo aperfeiçoar a aplicação dos recursos nas Confederações e a avaliação dos resultados técnicos das modalidades, com base nos projetos apresentados pelas entidades e aprovados pelo COB. “Pequim 2008 marcou o primeiro ciclo olímpico completo com os recursos da Lei Agnelo/Piva, período no qual houve avanço qualitativo do esporte olímpico. A melhoria das condições de treinamento dos atletas, como a aquisição de equipamentos e a contratação de técnicos estrangeiros, e o aperfeiçoamento da gestão esportiva, entre outros fatores, resultaram na conquista de diversos títulos mundiais. Mas queremos e podemos avançar mais”, afirmou o presidente do COB Carlos Arthur Nuzman, que, assim como o vice-presidente André Gustavo Richer, foi reeleito por aclamação para a presidência do COB no período entre 1º de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2012. A eleição aconteceu em Assembléia realizada na noite desta quinta-feira, no Rio de Janeiro.

“Vamos estabelecer novos parâmetros para esses repasses de recursos às Confederações, apoiados na meritocracia. Com isso, vamos aprimorar tanto o planejamento como a avaliação dos resultados de cada modalidade obtidos ao longo do novo ciclo olímpico, visando Londres 2012″, ressaltou.

Desde janeiro de 2002, quando se iniciou o repasse, as Confederações recebem valores com base em percentuais fixos do montante que o COB recebe através da Lei Agnelo/Piva. Pela lei, 2% do prêmio pago aos apostadores de todas as loterias federais do país são repassados ao Comitê Olímpico Brasileiro (85%) e ao Comitê Paraolímpico Brasileiro (15%).

Sobre a reeleição, Nuzman reiterou a confiança das Confederações ao trabalho do COB. “A evolução qualitativa do esporte brasileiro nos últimos anos é fruto, entre outros aspectos, do trabalho conjunto do COB com as Confederações. Estamos prontos e estimulados a trabalhar ainda mais pelo desenvolvimento do esporte brasileiro”, afirmou.

O colégio eleitoral da Assembléia do COB é formado pelas 28 confederações olímpicas, por quatro membros natos (João Havelange, André Gustavo Richer, Carlos Arthur Nuzman e Carlos Osório de Almeida) e por quatro membros do Conselho Executivo (Christiane Paquelet, Marcus Vinícius Freire, João Grangeiro e Edson Menezes). Não compareceram à assembléia as Confederações de Futebol e de Desportos no Gelo e os membros João Havelange, Carlos Osório de Almeida, e Christiane Paquelet.

A chapa eleita pela Assembléia do COB para o quadriênio 2008 – 2012:

Presidente – Carlos Arthur Nuzman
Vice-presidente – André Gustavo Richer

Membros da Assembléia

Alexandre Abeid
Antonio José Carneiro
Bernard Rajzman
Carlos Roberto Osório
Christiane Paquelet
Edson Figueiredo Menezes
Eduardo Henrique De Rose
Fábio Starling de Carvalho
João Grangeiro Neto
Leonardo Gryner
José Gustavo de Souza Costa
Manoel Félix Cintra Neto
Marcus Vinícius Freire
Mauricio Tadei Barthel Manfredi

Membros do Conselho Fiscal

Sergio Ribeiro Lins de Alvarenga – efetivo
Ângelo Moniz Freire Vivacqua – efetivo
Guilherme de Oliveira Campos – efetivo
Meton Braga de Oliveira – suplente
Wandir Kuntze – suplente

Divulgação: Assessoria de Imprensa COB