Brasil é ouro e bronze em Paris com Guilheiro e Camilo

O Brasil conquistou uma medalha de ouro e uma de bronze no Grand Slam de Paris, primeira competição do ano e um dos mais importantes campeonatos de judô do mundo, atrás apenas dos Jogos Olímpicos e Campeonato Mundial. Diante de uma arquibancada lotada com mais de 10 mil pessoas, Leandro Guilheiro foi o campeão dos meio-médios e Tiago Camilo ficou com o bronze entre os médios. Luciano Correa (meio-pesado), Erika Miranda (meio-leve) e Sarah Menezes (ligeiro) terminaram em quinto lugar.

“É um dos dias mais felizes da minha vida. Só lutei em Paris uma vez, em 2004, e era um sonho de infância vir aqui e vencer”, comemorou Leandro Guilheiro, que em apenas duas competições na nova categoria, ganhou duas medalhas (bronze no Grand Slam de Tóquio, em dezembro). “Está tudo realmente acontecendo muito rápido”, reconhece o duas vezes medalhista olímpico de bronze dos leves (73kg), que ainda está três quilos abaixo dos 81kg de sua nova categoria.

Guilheiro competiu quatro de suas seis lutas com o maxilar deslocado. Na final contra o georgiano Levan Tsiklauri, um combate emocionante decidido apenas no golden score (o golpe de ouro na prorrogação).

“Ele se defendia muito bem e cada vez que eu entrava um golpe ele se virava como um gato e não caia”, recorda o judoca, que caiu nas graças do público local graças a bela sequencia de ippons. “Na França eles entendem de judô e gostam de ver golpes como uchimata, seoi…”, diz.

Tiago Camilo também levantou o público foi de ippon em ippon até a semifinal, quando perdeu para Dilhod Choriev (UZB), terceiro do ranking mundial. Também recém subido de categoria (do 81kg, onde foi campeão mundial em 2007 e medalhista de bronze em Pequim 2008) para o peso médio, Camilo diz ainda sentir necessidade de ganhar força.

“Havia ganhado do Choriev em Moscou, quando fui bronze no Grand Slam no ano passado, mas dessa vez senti muita dificuldade em relação à força. Tive pouco treino esse ano mas cheguei bastante motivado. Quero aproveitar ao máximo esse período na Europa para melhorar meu judô”, comenta Camilo, que fica com a seleção brasileira no exterior até o fim de fevereiro. Até lá, estão programados o treinamento de campo em Paris, a Copa do Mundo de Viena (masculino) e a Copa do Mundo de Budapeste (feminino), treinamento de campo com a equipe olímpica inglesa em Dartford/ING e o Grand Prix de Dusseldorf.

Para o treinador da seleção masculina, Luiz Shinohara, o resultado no primeiro torneio internacional do ano foi bem avaliado.

“Especialmente Leandro e Tiago foram muito bem. O mais importante não foram as medalhas, mas sim a forma como eles lutaram. E,mais do que isso, o fato de terem visto pontos onde ainda podem evoluir”, diz o treinador da equipe brasileira.

Os outros brasileiros que competiram neste domingo foram Luciano Correa (quinto lugar), Nacif Elias, Walter Santos, Mayra Aguiar e Maria Suellen Altheman. O Brasil encerrou a participação em sexto lugar de 55 países no quadro de medalhas. Participaram do Grand Slam de Paris 382 atletas.

Para chaves preenchidas e desempenho completo dos brasileiros com pontuação e adversários acesse www.ippon.org

Manoela Penna, de Paris

Saudações Olímpicas!

Sebástian Pereira

Tags: , ,

Deixe um comentário